quarta-feira, 31 de agosto de 2016

O total que perdi foi de aproximadamente 53 mil reais

O total que perdi foi de aproximadamente 53 mil reais, peguei o período do pior câmbio possível da história do pais

Recebi um contato, Freddy Carlson, pelo Linkedin em outubro do ano passado. Sou receosa para aceitar novos contatos, mas como a cidade era Houston, achei que veio por meio da filial da empresa em que eu trabalho. Desde que comecei nessa empresa, tenho recebido contatos do mundo inteiro, por se tratar de uma multinacional de tecnologia. Ele se apresentou como Norueguês morando em Houston, engenheiro de soldagem, viúvo, pai de uma menina de 12 anos, com uma pequena empresa subcontratada pela SeaDrill, uma empresa da área de Óleo e Gás. Ele pediu para conversar por e-mail, ffreddy8322@gmail.com . Ficamos amigos e conversávamos quase todos os dias sobre diversos assuntos pelo Viber no +1 832 910 8047. Disse que mudou para Houston depois que a esposa faleceu, pois ficou muito traumatizado e foi aconselhado a recomeçar em novos ares. Um pouco antes do Natal, ele disse que estava preocupado pois uma de suas máquinas tinha parado de funcionar e ele precisava para concluir o projeto, isso estava atrasando. Fiquei sensibilizada. Aproveitei as festas, mas continuei falando com ele. Quando perguntei dos planos para 2016, ele disse que uma delas era finalizar o projeto e vir me visitar. Vi que ele tinha deletado o perfil no Linkedin e ele disse que estava recebendo muitos convites de gente desconhecida e que odiava gente bisbilhotando a sua vida.
Não sei porque, mas fiquei com vontade de ajudá-lo. Ele precisava de 3000 dólares para arrumar o equipamento, enviei 1000 em janeiro. Ele disse que pagaria até o dia 20 de fevereiro, quando o contrato terminasse. Ficou atencioso e ainda mais carinhoso. às vezes conversavamos por telefone e em uma dessas ligações, disse que estava cada vez mais apaixonado por mim. Em uma delas, disse que me amava e não sabia porque e até chorou. Era uma pessoa bem envolvente e sentimental. Depois de uns 20 dias, em uma das nossas conversas por telefone, vi que ele tava preocupado. Ele disse para eu relaxar, jantar e conversavamos depois. Mas depois, ele não me atendeu. Fiquei preocupada com ele e depois de alguma insistência minha, disse que precisava de uns produtos químicos importados da China para o projeto e que estavam retidos na alfândega até que a taxa fosse paga. Mais uma vez, eu o ajudei, mas deixei bem claro que se ele quisesse continuar a amizade, era para ele parar de me pedir dinheiro. O dinheiro era enviado para a "agente dele em Oklahoma", Mary Alliene Martins. Perguntei para ele o porquê de não poder enviar o dinheiro diretamente para ele, disse que era uma divisão do trabalho. Em fevereiro, novamente, ele tava preocupado com alguma coisa. Quando perguntei, ele disse que era para eu não me preocupar com os problemas dele. Depois de alguma insistencia, novamente disse que precisava de dinheiro para o projeto. Estava decidida a não ajudar e disse para ele que não poderia ajudar mais. Viajei a trabalho e, assim que eu cheguei no destino, tinha um e-mail dele super romântico. Hoje, eu me sinto uma idiota e é o que dá mais raiva, mas li aquilo e me derreti. Acabei ajudando-o novamente. Mas dessa vez, quando quase autorizei a money gram a enviar o dinheiro para a Mary, ele disse que não era para enviar para ela, mas sim para o seu "agente em Istambul", Brian Curtis.
No meio de março, ele disse que tinha uma caixa surpresa para mim e pediu o meu endereço. Fiquei com receio, afinal, não o conhecia pessoalmente e, dei o endereço do escritório. Depois de 2 dias, recebi um e-mail da delivery@arascargocompany.com de um tal de Gabriel Cuno, que falou do processo de entrega. A caixa teria 17 kg e seria entregue dentro de 4 dias no Brasil, mas eu deveria pagar a taxa de entrega, seguros, etc no valor de 780 euros para a Rebecca Osogiahon, em Istambul (que pelo Facebook, é uma nigeriana vivendo na Turquia). Achei um absurdo e deixei quieto. O Freddy disse que tinha uns presentes e um pacote. Depois de uns dias, perguntei para ele quando ele me pagaria, ele disse que o pacote era o dinheiro. Paguei a taxa.
Depois de uns dias, esse Gabriel Cuno enviou um e-mail dizendo que a alfândega da Turquia alegou que a caixa era pesada e que detectaram dinheiro dentro quando passou pelo raio-x. Pediram o pagamento da taxa no valor de 7000 Euros da Yellow Tag, uma etiqueta que permite que a mercadoria transitasse livremente pelos países. Além disso, era um comprovante de que não tinha envolvimento com terrorismo. Fiquei com receio, além disso, o Freddy disse que a caixa foi parar na Turquia pois a Aras Kargo era a única empresa de courier perto do trabalho dele. Então, o Freddy disse que tinha negociado o valor com o Gabriel, que disse que tinha negociado com a alfandega o valor de 2000 euros. Confirmaram por e-mail e paguei. Depois,falaram que eu deveria ter avisado que tinha dinheiro na caixa, que as autoridades turcas estavam irritadas. À essa altura, estava com tanto medo do que poderia acontecer, pelo fato do meu nome estar na caixa, que paguei novamente. Além disso, eu viajo internacionalmente a trabalho, não poderia ter o meu nome sujo. Depois, o Gabriel entrou em contato novamente, disse que as autoridades chamaram a diretoria da "Aras Kargo" para reunião e perguntaram a quantidade exata de dinheiro na caixa. O Freddy disse que informaria diretamente à eles e, depois, o Gabriel disse que o valor informado irritou de vez as autoridades e que, se eu não pagasse o valor integral de 7000 euros, iriam me acusar de lavagem de dinheiro. Entrei em desespero total. Tinha o dinheiro, mas não disponível no momento, ainda por cima, foi a época em que o dólar e o euro atingiram os picos mais altos desde o início do plano real. Perguntei para o Gabriel o valor informado pelo Freddy e ele disse 350 mil dólares. Xinguei o Freddy, como eu iria receber 350 mil dólares em uma caixa no Brasil?? Ele disse que era de um negócio secreto que fez com o gerente da empresa em que trabalhava e que queria enviar para mim. Paguei os 3 mil euros restantes, mas pedi para mudar o endereço para o mesmo de destino. E o Freddy disse que me pagaria todo o prejuizo de volta ( e eu, idiota, acreditei).
Pedi para a transportadora por precaução o recibo do pagamento e a cópia da yellow tag, mas nem abri os documentos quando chegaram por e-mail. Pedi também o endereço informado pelo Freddy em South Houston
Tinha uma viagem programada para Houston a trabalho e combinei de encontrar com o Freddy. Ele até disse para ficar na casa dele, mas me recusei. Quando cheguei, me ignorou completamente por 3 dias, sem responder a mensagens, e-mails, tentativas de chamadas.
Depois, disse que está tendo problemas na empresa e que não queria me envolver. Nessa noite, chegou um e-mail da iata-fr@europe.com de que a minha caixa havia sido parada na França e que devido aos recentes ataques terroristas, era para eu justificar de onde tinha vindo o dinheiro ou pagar uma taxa de 10.000 euros ou procederiam com investigações. Eu não sabia o que fazer. Mas estranhei que o e-mail veio assinado pelo Alexandre De Juniac, presidente da IATA. Pensei "por que uma pessoa tão importante está me mandando e-mail? Que estranho". Além disso, o e-mail anterior veio sobre uma nota não relacionada com o meu caso e nada a ver com a IATA. No meu penúltimo dia em Houston, ele disse que está sendo investigado pela empresa e que eles sabiam que ele tinha enviado o dinheiro para o Brasil, mas não sabiam de mim. Eu disse a ele que com o pagamentoda Yellow Tag, ele receberia de volta a caixa. E sugeri que ele devolvesse o dinheiro e se redimisse com a empresa. De novo, eu sou uma idiota. Contei para ele sobre a IATA e ele disse que não sabia. Eu disse para ele que ia sugerir que eles procedessem com as investigações, pois eu tenho a minha consciência limpa. Ele disse que isso o complicaria. O e-mail sugeria também que alguém fosse se explicar pessoalmente na França. Eu não poderia ir por causa do trabalho (e também por medo), pedi ao Freddy que fosse e eu o ajudaria com os custos. Pediu para que eu aguardasse que ele cuidaria do caso. Mas de experiências anteriores, ele nunca se mexia.
Comecei a duvidar dessa história, pois no dia seguinte, quando eu estava embarcando de volta para o Brasil, conversamos normalmente. Pensei, "Poxa, ele não estava sendo investigado?". Quando retornei para o Brasil, ignorei ele por uns dias e recebi no dia seguinte o e-mail novamente da IATA dizendo que meu prazo estava acabando. Fiquei novamente irritada pois o Freddy não cumpriu com o acordado. Depois, ele disse que enviou um e-mail. Quando perguntei do conteúdo, ele disse "eu disse à eles que a taxa era muito cara e o que eles poderiam fazer pela gente". Quase perguntei se ele era burro ou só inocente. Mal sabia...Nesse mesmo dia, resolvi abrir o coração para uma amiga. Até então, meus colegas viam o meu nervosismo no escritório, mas não desconfiavam. Essa amiga me deu um insight "você já pensou que você está sendo vítima de um golpe?". Aí começou a cair a ficha. Eu tinha mesmo investigado sobre a IATA e não parecia ser do escopo deles de trabalho a retenção de cargas. Investiguei um pouco mais e entrei no site da IATA. Eles têm um canal especial falando sobre fraude e até um e-mail específico para isso. Submeti o meu e-mail e no dia seguinte, a confirmação: era fraude. Eles solicitaram a informação de IP e servidor para derrubar o site e, quando investiguei, vi que era o mesmo servidor de onde saia um dos e-mails da Aras Cargo.
Comecei a testar o Freddy. Ele disse que me ligaria à noite e novamente não ligou. No dia seguinte, começou a me ligar às 6h. Falei para ele me deixar em paz, que tinha esperado ele até tarde e ele disse que voltou tarde do trabalho. Eu disse à ele que estava com cancer e que ele teria que se virar para resolver o problema com a IATA. Ele disse que não conseguia se virar sozinho. Fiz drama, falei que não queria viver, que se tudo isso estava acontecendo era porque era castigo. Ele disse que não era para eu desistir, que me amava, que queria passar o resto da vida comigo e que enviou o dinheiro para mim pois confiava em mim. Eu disse ok, mas que agora era com ele. Ele pediu ajuda para ir para a França. Joguei outro verde e pedi para ele o passaporte dele e a data que eu ia comprar a passagem e mandava. Ele pediu em dinheiro, disse que comprando nos EUA era mais barato e que precisava de dinheiro também para alimentação e hospedagem. Enfim, ele queria dinheiro.
Procedendo com a investigação, finalmente tive a luz de tentar ligar na Aras Kargo pelo telefone que está no site deles (e não o informado pelo Gabriel Cuno). Só atendiam em turco. Eu repetia dezenas de vezes pedidndo para algum falante de inglês, mas eles deviam falar algo como "desculpa, não te entendo" em turco e desligavam. Enviei mensagens pelo Facebook e site, retornaram por e-mail solicitando mais informações, mas nuna retornaram. Até que liguei em uma escola de idiomas disposta a pagar pelo serviço de tradução e me sugeriram procurar a Câmara do COmércio da Turquia no Brasil. Foram muito atenciosos, disseram que a Aras Kargo existe de fato e que é a maior transportadora da Turquia. Ligaram na Aras Kargo, onde disseram que o número de entrega que enviaram não existe, não tem ninguem chamado Gabriel Cuno e que eles não tem unidades fora da Turquia. Aí que reparei que os documentos de recibo e Yellow Tag, eram uma montagem extremamente tosca. Resolvi investigar também a Mary Alliene. Vi no Facebook uma foto que parecia ser o Freddy e a filha dele em novembro, dizendo que eles se casariam em dezembro e se mudariam para o TExas. Nas fotos seguintes, uma foto de um oficial americano, onde ela comentava que era o seu novo namorado, que o outro mentiu para ela e que ela teve que perdê-lo. Me senti culpada, teria sido eu a causa da separação? Fiquei com vontade de escrever, de pedir desculpa e dizer que eu não sabia. Mas isso não adiantaria em nada. Fiquei pensando, quando depositei pela primeira vez, pesquisei muito a Mary Alliene, mas nunca me passou pela cabeça entrar no Facebook. Isso teria me salvado de toda a história. Investiguei a Rebecca e vi que ela era nigeriana, mas não tinha ciência da máfia nigeriana. Um dia, resolvi investigar o Gabriel Cuno. Vi no Facebook uma senhora de Cancun que recebeu o mesmo e-mail sobre pagamento da entrega mas com o e-mail arascargo@gmail.com. Disse a ela para não pagar, que era fraude por inbox, mas ela não me respondeu.
Mês passado ele me disse que não se sentia bem, pois a filha estava internada com Apendicite e que teria que fazr cirurgia. Dois dias depois, disse que se sentia mal poia a filha precisaria passar por tratamento médico que ele não poderia pagar e perguntou se eu não poderia ajudar. Inventei uma história triste e disse que não.
TOmei coragem e com o perfil falso, chamei a Mary no Messenger. Disse para ela sobre o Freddy e perguntei para ela o que aconteceu. Disse que queria reportá-lo para a polícia. Ela disse que não adiantaria, pois ele era nigeriano. Disse que ela recebia dinheiro de diversas mulheres do mundo inteiro e enviava para a Nigeria, que ele iria para lá (EUA) em dezembro do ano passado para se casarem. Disse que das últimas vezes que enviaram, ela não enviou para a Nigeria e disse que era para ele ir buscar em Oklahoma. E que uma mulher perdeu aproximadamento 100.000 dolares. Ela disse que achava que ele era de verdade, pois ele sabia que ela vive com salário de 400 dólares por mes. Comentou que uma mulher de South Dakota conversou com ele por Skype (nunca fiz isso pois tinha vergonha) e que ele era totalmente diferente das fotos, "negro talibã". Para ela, ele usava o e-mail freddy_carlson@yahoo.com.br e um outro numero de telefone de Houston. Eu tentei rastrear o numero que recebi, mas não encontrei nada, nem recebe chamada de telefone, somente viber.

Tentei denunciar essa história em todos os sites do FBI que encontrei. Até da Interpol. Nunca tive retorno. Cheguei a ir à polícia federal no Brasil, mas disseram que é com a Polícia Civil. Me sinto muito envergonhada por diversas coisas, por ter caido tao facilmente, mas nunca tinha ouvido falar da mafia nigeriana ou romance scam.. Cada vez que investigo encontro mais sujeira. Recenmente ouvi na CBN sobre golpes nigerianos e um deles era sobre golpes amorosos. E justamente o comentado era sobre um engenheiro de petróleo trabalhando em plataforma, que pedia dinheiro por alguma razão. A gente acha que nunca vai cair e que é até ridícula ver quem caia.
5 anexos

Bom dia, Crystal.

Enviei:
- 2700 USD para a Mary Alliene Martin (alguns comprovantes anexos). Ela confirmou que era scam, se disse vítima, mas confimou que chegou a receber dinheiro de mais de 10 mulheres ao redor do mundo e enviar para a Nigéria. Disse que foi enganada, que o Freddy, o mesmo scammer que o meu, disse que ia casar com ela e falava para todo mundo que ela era a esposa e contadora dele (ele falou para mim que ela era empregada da empresa dele). Não confio nela, ela me pediu dinheiro dizendo que ia recuperar uma caixa com 2 milhões de dólares (não caio nessa de novo).
Perfil no Face: https://www.facebook.com/maryalliene?hc_ref=NEWSFEED

- 1200 USD para Brian Curtis em Istambul (não estou encontrando o comprovante e nem perfil do Face)

- 7750 Euros para REbecca Osogiahon
Perfil Face:
https://www.facebook.com/sosgiahon.rebecca?ref=br_rs
https://www.facebook.com/rebecca.osogiahon?ref=br_rs
https://www.facebook.com/profile.php?id=100012936214928&ref=br_rs (esse tem foto de julho, parece que está ativo)








Nenhum comentário:

Postar um comentário

NOSSO EMAIL PARA DENÚNCIAS É: forascammers@gmail.com.
FAÇA SEU COMENTÁRIO OU DENUNCIA .
.

RESPONDA O QUESTIONÁRIO